Um site que não é lá.

Resenha | Sucker Punch – Mundo Surreal

7

Zack Snyder prometeu: Você vai estar despreparado! E cumpriu. Seu  novo filme, Sucker Punch entrega o que já vimos em todos os seus filmes anteriores (Madrugada dos Mortos, 300, Watchmen e A Lenda dos Guardiões), um visual belíssimo, camera lenta e cenas de ação com tomadas inusitadas isso tudo somado a um roteiro muito bem construido e coerente dentro desse mundo maluco.

O trailer não explica muita coisa, é bem vago até, mas faz um resumão que  é suficiente pra levar muito marmanjo no cinema: robôs gigantes, samurais, dragões, nazistas, guerras, cavaleiros e mulheres semi nuas enfrentando tudo isso com metralhadoras e espadas.

A trama conta a história de Babydoll, uma menina atormentada por ter perdido sua família, e foi internada num sanatório pelo padrasto mal intencionado, lá conhece Rocket, Sweet Pea, Blondie e Amber, que vão tentar a todo custo escapar de lá. Mas muita coisa se passa na cabeça da protagonista, um mundo fantástico totalmente sem qualquer vínculo com a realidade.

A direção do filme é bem segura, bem a cara do que o Zack já nos entregou em 300 e Watchmen. Cenas de ação com uma camera lenta muito bem aplicada, tiroteios alucinantes e lutas impressionantes. Uma surpresa é que o mundo real tem muito mais importância do que parece no trailer.

As atuações, nada demais. E nem pedia mesmo, é claramente um filme do diretor (que também assina o roteiro). A computação gráfica é bem feita na maior parte do tempo, mas algumas transições entre cenas reais e feitas em 3D fica um tanto quanto na cara. A fotografia é muito bonita, como em todos os filmes do Snyder, tem um tom meio árido, meio retrô, aquela carinha de pin-up que dá todo um charme.

A trilha sonora é muito bem encaixada, com versões, covrers e remixes de músicas já conhecidas.  Tem Queen, Björk, etc … Algumas dessas músicas cantadas pelo elenco  (não, Vanessa  Hudgens não canta), a protagonista Emily Browning canta 3 músicas no cd, Carla Gugino e Oscar Isaac fazem uma bela versão de Love is the Drug, que toca nos créditos.

Não espere um filme cabeça,  é um pipocão, um filme de ação com roteiro bem construido e bem fora do óbvio. Um excelente filme, um dos grande blockbusters do ano.

Estréia dia 25 de março.